matrícula:
senha:
 




13/03/2014 - É possível viajar com papinhas caseiras?
 

Pat Feldman, uma culinarista que mora em São Paulo, escreveu um post muito interessante sobre como viajar levando papinhas caseiras para os bebês. Confira no texto abaixo todas as dicas da Pat:

"Antes de mais nada, é preciso acostumar seu bebê a comer sua comidinha em qualquer temperatura – geladinha assim que sai da geladeira, à temperatura ambiente ou aquecida. Esse costume com diferentes temperaturas pode “salvar a vida” (no caso, salvar a refeição) se você não tiver como aquecê-las. É uma preocupação a menos para seu bebê rejeitar a comida.

Invista em uma boa sacola ou caixa térmica. É nela que você vai transportar toda a “geladeira” do seu pequeno. Se você fizer a conta, vai descobrir que uma boa sacola térmica custa menos do que um montão de papinhas industrializadas.

Junto com a sacola térmica, uma boa providência para viagens maiores são potes ou formas de gelo (bem fechado, de preferência vedados para que não vazem) para ajudar a conservar a temperatura baixa.

A embalagem: comprei por menos de R$2,00 cada, potinhos de vidro com tampa de rosca. Por diversas razões eu prefiro o vidro e a tampa de rosca protege muito bem de vazamentos. O vidro que comprei tem o tamanho aproximado de um potinho médio das papinhas industrializadas.

A quantidade: eu calculo o número de refeições – almoço e jantar – durante os dias em que estaremos fora. Levo um potinho para cada refeição e na conta final acrescento dois ou 3 de reserva. Escolho 2 ou 3 sabores variados, que posso variar ainda mais no meu destino de forma muito simples, apenas acrescentando temperos ou, quando possí­vel, acompanhamentos diferentes.

No dia da viagem a última coisa a fazer, depois de malas prontas e todos prontos é tirar tudo do congelador e colocar na térmica. Assim mesmo, na última hora. Mais cedo eu tiro duas porções da papinha para aquele dia. O resto vai congelado. Já fiz uma viagem de mais de 8 horas usando esse método e as comidinhas e leites (que também foram congelados) chegaram perfeitos ao destino.

Onde levar: viajando de carro a sacola vai sempre na cabine, onde é mais fresco. Se o carro tem ar condicionado, melhor ainda!! Se não tem, escolho um lugarzinho mais fresco, abrigado da luz do sol. No avião vai como sacola de mão.

A armazenagem: muitas vezes meus passeios são para a casa de parentes e como todo mubndo tem geladeira e congelador ou freezer em casa, ficou fácil e óbvio! Em hotéis a questão normalmente se resolve de forma simples, já que a maioria tem frigobar no quarto. Quando não tem (e isso já aconteceu uma vez), eu recorro à cozinha do hotel, peço com jeitinho e alguém lá sempre me ajuda na hora de guardar tudo e ir me dando conforme a necessidade. Se são poucos dias, 2 ou 3, fica tudo na geladeira mesmo. Mais dias, congelador conserva melhor.

O aquecimento: eu não uso microondas e qualquer hora posto aqui um artigo sobre o assunto. Um potinho com água quente e o costume de não dar papinhas sempre na mesma temperatura resolvem muito bem o problema. As torneiras dos banheiros costumam ter água quente e um copo, caso contrário, alguém do restaurante sempre ajuda no potinho com água quente. Dependendo do tamanho do potinho, um aquecedor de mamadeiras também resolve o problema. E lembrar que comida gelada não mata ninguém."

Fonte: http://pat.feldman.com.br/2009/07/12/viajar-com-papinhas-caseiras-nao-e-um-bicho-de-sete-cabecas/






 

Copyright, © 2017, Centro Escolar Aquarela. All rights reserved. Direitos autorais reservados. Reprodução proibida.
Projeto Web: Insenic Interactive do Brasil